Discover
Start a collection Search

epifaniaa

490 contributions 1 participating

contributions participating

Uns cosem pra fora, eu coso pra dentro.

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero ...

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação.

" Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador."

É que por enquanto a metarmofose de mim em mim mesma não faz sentido.
É uma metamorfose em que eu perco tudo o que tinha, e o que sou.
E agora o que sou?
Sou: estar de pé diante de um susto.
Sou: o que vi.
Não entendo e tenho medo de entender, o material do mundo me assusta, com seus planetas e baratas.

Você de repente não estranha de ser você?

Esperança é como o girassol que à toa se vira em direção ao sol. Mas não é à toa: virar-se para o sol é um ato de realização de fé.

Escrevo-te em desordem, bem sei. Mas é como vivo. Eu só trabalho com achados e perdidos.

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.

Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome.

Escuta: eu te deixo ser, deixa-me ser então