Descobrir
Comece uma coleção Pesquisar

Leminski

1 contribuíram 2 estão participando + Informações

participate Deixe de participar Participating
contribute Contribua

Leminski

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

lua de outono
por ti
quantos s/ sono

Comentar
Crie sua coleção de placas

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

meus amigos
quando me dão a mão
sempre deixam
outra coisa

presença
olhar
lembrançacalor

meus amigos
quando me dão
deixam na minha
a sua mão

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

soubesse que era assim
não tinha nascido
e nunca teria sabido

ninguém nasce sabendo
até que eu sou meio esquecido
mas disso eu sempre me lembro

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

você
com quem falo
e não falo

centauro

homemcavalo

você
não existe

preciso criá-lo

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

você pára
a fim de ver
o que te espera

só uma nuvem
te separa
das estrelas

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

que tudo passe

passe a noite
passe a peste
passe o verão
passe o inverno
passe a guerra
e passe a paz

passe o que nasce
passe o que nem
passe o que faz
passe o que faz-se

que tudo passe
e passe muito bem

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

moinho de versos
movido a vento
em noites de boemia

vai vir o dia
quando tudo que eu diga
seja poesia

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

um deus também é o vento
só se vê nos seus efeitos
árvores em pânico
bandeiras
água trêmula
navios a zarpar

me ensina
a sofrer sem ser visto
a gozar em silêncio
o meu próprio passar
nunca duas vezes
no mesmo lugar

a este deus
que levanta a poeira dos caminhos
os levando a voar
consagro este suspiro

nele cresça
até virar vendaval

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

Desculpe, cadeira,
está pisando no meu pé.
Desse jeito, mais parece
esta mesa: nada mais faz
que cansar minha beleza.

Vocês vão ver uma coisa.
Nem porque é de ferro
pode moer meu dedo
este prego, o martelo.

Vocês não têm cabeça.
Não passam de objeto.
Vocês nunca vão saber
quanto dói uma saudade
quando perto vira longe
quanto longe fica perto.

Desculpe, cadeira,
está pisando no meu pé.
Desse jeito, mais parece
esta mesa: nada mais faz
que cansar minha beleza.

Quanto ao resto — até.

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

não possa tanta distância
deixar entre nós
este sol
que se põe
entre uma onda
e outra onda
no oceano dos lençóis

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

— que tudo se foda,
disse ela,
e se fodeu toda

Comentar

anacfmr

Publicado há 1717 dias - 0 estrelas

Premiar

a luz se põe
em cada átomo do universo
noite absoluta
desse mal a gente adoece
como se cada átomo doesse
como se fosse esta a última luta

o estilo desta dor
é clássico
dói nos lugares certos
sem deixar rastos
dói longe dói perto
sem deixar restos
dói nos himalaias, nos interstícios
e nos países baixos

uma dor que goza
como se doer fosse poesia
já que tudo mais é prosa

Comentar